terça-feira, 22 de abril de 2008

Ameaça estrangeira

No século passado, as noites de fim-de-semana em Paraibuna tinham muita curtição e azaração, além de uma galerinha que adorava uma boa confusão.

Uma molecada xiita se divertia em dar motivos para os estranhos apanharem. Era típico: identificavam um cara de fora sozinho, ou em pequeno grupo, que não aparentasse lá muita força, e o provocavam. Se o rapaz ousasse perguntar o que estava acontecendo, vinham os dez ou vinte mais corajosos e destemidos garotos do pedaço para descer o cacete na ameaça estrangeira.

Conheci um rapaz de outra cidade, de descendência oriental, que freqüentava Paraibuna nessa época. Ele conta que, uma vez, uma paraibunense o paquerava com o olhar, e ele correspondia. Bastou. Um dos briguentos veio intimidá-lo:

- Aí, japonês, você é de fora. Fique esperto!

Meu amigo é baixinho. O valentão, na frente dele, virava um gigante. Mas o japonês retrucou, referindo-se ao interlocutor:

-Por quê? Quem é daqui pode ser bobo assim mesmo?

Naquela época, ele perdia os dentes, mas não perdia a piada.

3 comentários:

Wireless disse...

Hello. This post is likeable, and your blog is very interesting, congratulations :-). I will add in my blogroll =). If possible gives a last there on my blog, it is about the Wireless, I hope you enjoy. The address is http://wireless-brasil.blogspot.com. A hug.

Claudio disse...

Kuakuakua!
Muito boa!
Não sei se fato, causo ou piada... nunca passei por isso graças a você e os pantaneros!
Abraço,
Cláudio

Rogério Faria disse...

Fala, Claudião! Juro que é mais ou menos verdade... Saudade de você. Como vão as coisas? Abraço.

Receba as atualizações do meu blog no conforto do seu e-mail!

Digite o seu endereço de e-mail e clique em "Subscribe":

Delivered by FeedBurner