quarta-feira, 26 de março de 2008

À tarde, sempre chove

O dia mais quente. Sob os seus pés, ele via o sol imponente num ondulante e refrescante céu azul sem nuvens.

Postos lado a lado, vestidos a caráter, mais uma vez eles tinham a decisão a tomar.

Ela ensaiava tímidos avanços molhando as pontas dos pés. Não se sentia segura. Lembrou-se das vezes em que foi deixada ali sozinha, submersa. Além disso, ainda não acreditava que aquele era o homem com o qual queria mergulhar.

“Mas e se ela não entrar? E se eu pular sozinho? E se...?”

Daqui a pouco, as nuvens começariam a chegar. Ficariam cada vez mais pesadas. Então, escuras, despencariam sobre suas cabeças. Aquela água não seria mais convidativa.

À tarde, sempre chove.

Mas, se estivessem ali dentro quando a chuva caísse, talvez a temperatura permanecesse agradável. Veriam o vento forte lá fora, o céu escuro lá em cima, as gotas agitando ondinhas. E, com a água até o pescoço, ainda teriam o calor um do outro. Assim, só talvez, ficariam ali até a pele enrugar.

2 comentários:

Joel disse...

Rogerio,
isso dá um conto inteiro.Continua PÔ!

Rogério Faria disse...

Arrá! Conseguiu comentar! Valeu por participar, Joel. Esse continho era só isso mesmo. Há, também, a falta de tempo para desenvolver algo maior. Mas pretendo fazer. Abraço.

Receba as atualizações do meu blog no conforto do seu e-mail!

Digite o seu endereço de e-mail e clique em "Subscribe":

Delivered by FeedBurner