sábado, 9 de fevereiro de 2013

Vereadores de Paraibuna na primeira sessão ordinária


Um Câmara diferente para Paraibuna?

Na primeira sessão ordinária da nova legislatura, os vereadores de Paraibuna prometeram trabalhar, e trabalhar para o povo. Em dia lotado e com algo em torno de 500 acessos on-line, conforme a própria Câmara, a sociedade paraibunense demonstrou expectativa com os trabalhos de novos e antigos legisladores.


Profa. Helô está isolada

Ausente a Profa. Helô (PR), todos os vereadores se mostraram críticos à administração do Prefeito Barros (DEM). Além da oposição petista, Dr. Fernando e Marchelo, a própria base, composta principalmente pelo PSDB, partido do Vice-Prefeito Vitão, criticou um Executivo negligente e com diversas falhas. Nas palavras do vereador do partido do Prefeito Barros (DEM), Daniel Bananinha, repercutida por outros: “O Barros fez um bom primeiro mandato, mas não está fazendo a manutenção”, citando aumento de buracos e crescimento do mato na área urbana.

O vereador Klinger (PTB) bradou que essa legislatura deve afastar a imagem da Câmara como “casa de homologação”. Segundo ele, os vereadores do último mandato, apenas assinavam embaixo do que o Prefeito mandava, liderados pela Profa. Helô. Nesse ponto, Klinger repercute pensamento deste blog em posts como Pra que serve um vereador?.

Ficou evidente que a vereadora do PR está isolada. O grupo dos seis, formado por PSDB mais Klinger e Juninho (PSB), deixou claro que fará frente à atuação dela. Assim, e considerando a oposição petista, a vereadora pode contar, a princípio, apenas com o Daniel Bananinha. Para este blogueiro não ficou clara ainda a composição do Serginho da Eletrônica (PMDB).


Baby nos holofotes

E, através da força do G6, o vereador Baby (PSDB) pode inclusive assumir o protagonismo da legenda tucana no município, sabendo-se que ele pretende voos maiores. A sua votação, perdendo apenas para a Profa. Helô, já evidenciou a sua aceitação na cidade. Depende agora apenas da sua capacidade de liderança, aproveitando a exposição do mandato legislativo. Andar à sombra do Executivo é andar à sombra da Profa. Helô, e já vimos que alguns vereadores que optaram por essa estratégia não voltaram.

Para que a Câmara de Vereadores ocupe o destaque que lhe cabe, é fundamental que o atual presidente, Laurinho (PSDB), recupere a divulgação de atas, pautas, projetos, leis, requerimentos, respostas e contas. A atitude, característica da administração do Klinger, no primeiro biênio da legislatura passada, é inclusive exigência legal, estando o site da Câmara pendente das atualizações exigidas pela Lei de Acesso à Informação.

Desse jeito, contando com a exposição que os atuais vereadores têm em sessão de Câmara, no site e redes sociais e considerando a postura crítica que adotaram em relação ao Executivo, vai ser muito arriscado os administradores continuarem nessa inércia. Está mais do que na hora de prefeito e vice  ouvirem este blog e montarem uma estratégia de comunicação para a Prefeitura voltada para as redes sociais, ou serão ofuscados. A consequência é a redução da influência de ambos nas negociações para a continuidade do projeto a partir de 2016.


João Batista quer a oposição

A sessão ainda contou com a fala do candidato derrotado à Prefeitura e ex-vereador João Batista (PT). Ele usou da palavra para cobrar a adequação do piso salarial do professor ao estadual, que seria maior que o federal. Aparentemente, fazendo-se presente, João Batista quer deixar claro que liderará a oposição nestes quatro anos.

Também usaram a Tribuna Livre, cidadãos como Jamil, por  uma Paraibuna sustentável, Flávio Tiririca, com uma lista de cobranças para acordar o Executivo, e Clovinho, dando as boas vindas aos mandatários.


Vereadores em ação

De qualquer forma, os vereadores parecem querer mostrar trabalho. Todos, como Diego (PSDB) e Miltinho Tomateiro (PSDB), se colocaram a serviço do cidadão. Eles prometeram discutir os projetos de lei de reajuste de servidores, incluindo professores e agentes de saúde, na tentativa de conseguir maiores salários. Além disso, a lista de requerimentos, que há tempos não era tão vistosa, trouxe questionamentos interessantes como utilização de máquinas públicas em serviços particulares, uso de celulares da Prefeitura por familiares de eleitos e qualidade do atendimento da Saúde. Vamos aguardar as explicações do Prefeito.

Agora, temos aí quatro anos para ver se a primeira sessão foi só conversa ou se vão realmente manter os compromissos assumidos durante a campanha e reforçados nessa segunda-feira. Muita água ainda rola por debaixo da ponte. A Câmara deixará de ser “casa de homologação”?

E estamos de olho. Cada vez mais a população de Paraibuna está despertando, usando redes sociais, participando das sessões, cobrando. Assim, a atual composição da Câmara, bem como os cidadãos, promete não facilitar estes próximos quatro anos do Prefeito Barros.

Você que também acompanhou a sessão discorda do que eu disse? Ou tem algum outro ponto de vista a acrescentar? Escreva aí, vamos construir a nossa Paraibuna!

LEIA TAMBÉM
CURTA A FANPAGE DO SOLILÓQUIO INSIPIENTE NO FACEBOOK

4 comentários:

Luciano Alvarenga disse...

A vitória da Helô em 2012, com a maior votação já conseguida por um vereador em Paraibuna, colocou de maneira definitiva essa vereadora como candidata a prefeita na cidade nas próximas eleições.
Entretanto, a eleição do vereador Laurinho para a presidência da câmara municipal para os próximos dois anos é uma vitória do vice prefeito Vitão.
Helô e Vitão vão disputar palmo a palmo nestes próximos anos inúmeras lutas políticas que somadas vão definir quem será o candidato preferencial, do grupo político do qual os dois fazem parte, à prefeitura de Paraibuna em 2016.
A Helô tem um capital eleitoral que certamente faz inveja à maioria dos políticos na cidade. No entanto, é uma forte candidata sem grupo. Seu partido PR, afora a própria Helô, não possui nenhum nome significativo. O erro primário do PR em ter coligado com o PTB permitiu a reeleição do vereador Klinger, que dificilmente dará apoio as pretensões políticas da Helô.
Sem grupo político fiel, sem parceiros na Câmara com quem possa contar e com um partido de um nome só e, agora com a vitória do PSDB comandado pelo Vitão que emplacou o nome do veteraníssimo Laurinho na presidência do Legislativo, o que vai ficando claro é que a Helô é ótima de voto, mas com grandes deficiências para a costura política.
Na luta pela disputa de quem será candidato a sucessor do Barros o Vitão saiu na frente com 4 vereadores eleitos pelo PSDB mais o presidente da Câmara. A Helô, por seu turno, elegeu apenas a si mesma.
Luciano Alvarenga

Rogério Faria disse...

Luciano, ótimo comentário, embora eu entenda que a Profa. Helô não poderá se candidatar à prefeita. Mas é isso, ela está enfraquecida por essa falta de costura política. O Klinger é, abertamente, como deixou claro, crítico dela. Muita água ainda vai rolar. Abraço.

Anônimo disse...

Concordo com o comentário de que ela é apenas boa de voto.
É visível a resistência que a nova câmara eleita tem com ela, visto que o prefeito sempre a privilegiou nesses últimos quatro anos.
Ela só poderá se candidatar caso o Barros se afaste do cargo seis meses antes da próxima eleição, porém ela mesma disse na posse que não quer mais saber de política.
Aceito que candidato forte é o Vitão, tendo o Baby como Vice.
Ótimo blog, vou acompanhar sempre!

Rogério Faria disse...

Amigo,

Obrigado por participar. Espero tê-lo acompanhando sempre, e comentando.

Abraço.

Rogério

Receba as atualizações do meu blog no conforto do seu e-mail!

Digite o seu endereço de e-mail e clique em "Subscribe":

Delivered by FeedBurner